O Metalúrgico #523



Juntos com o Sindicato dos Metalúrgicos, trabalhadores avançam na defesa dos direitos

Na Autvale a paralisação de duas horas garantiu o aumento do piso salarial. Na Autvale a paralisação de duas horas garantiu o aumento do piso salarial.
Além dessas greves, também realizamos manifestações junto com o Sindicato dos Petroleiros e com os metalúrgicos nas empresas Estrutural, Bodemeier, C3, Ibrav, entre outras contra a tentativa dos patrões de rebaixar os salários. Além dessas greves, também realizamos manifestações junto com o Sindicato dos Petroleiros e com os metalúrgicos nas empresas Estrutural, Bodemeier, C3, Ibrav, entre outras contra a tentativa dos patrões de rebaixar os salários.
Na SGS, a greve garantiu a regularização do salário, aumento do piso salarial, do valor do vale alimentação e vale café. Também garantimos aumento no valor da PLR e o fim da coparticipação do plano de saúde. Na SGS, a greve garantiu a regularização do salário, aumento do piso salarial, do valor do vale alimentação e vale café. Também garantimos aumento no valor da PLR e o fim da coparticipação do plano de saúde.

Dentro da refinaria, na Usiminas e nas metalúrgicas da região, a luta é do conjunto da categoria


Desde que juntos com o Sindicato dos Metalúrgicos da Baixada Santista fortalecemos a mobilização dos trabalhadores nas empresas contratadas pela Petrobrás, avançamos na luta em defesa dos direitos também dentro da refinaria.


A Petrobrás para garantir mais lucros para seus acionistas, faz de tudo para atacar petroleiros e os trabalhadores nas empresas contratadas, o resultado disso é arrocho salarial e desrespeito aos direitos e contra isso é preciso lutar.


Veja alguns exemplos da luta dos metalúrgicos junto com o Sindicato dentro da Refinaria:


Nosso compromisso é organizar a luta em defesa dos direitos, por mais salários e melhores condições de trabalho, a luta é do conjunto da categoria: dos metalúrgicos que trabalham dentro e fora da refinaria, dos metalúrgicos na Usiminas e também dos aposentados.


E se você que é metalúrgico ainda não se sindicalizou ao Sindicato dos Metalúrgicos da Baixada Santista, não perca mais tempo, pois os patrões junto com o governo estão fazendo de tudo para arrancar os direitos dos trabalhadores e contra isso é preciso estar junto ao seu instrumento de defesa e luta que é o Sindicato.



A luta se amplia no conjunto da categoria

Engebasa Engebasa
Freios Casqueiro Freios Casqueiro
Freios Guarujá Freios Guarujá
i7 Engenharia i7 Engenharia
Metalock Metalock
Serralheria Pajé Serralheria Pajé

Contra os ataques dos patrões aos direitos e salários dos trabalhadores


Os patrões aumentaram ainda mais seus ataques depois que conseguiram aprovar sua reforma trabalhista e se não tiver luta, as empresas vão tentar é passar por cima dos direitos que ainda estão garantidos na CLT e nos Acordos Coletivos de Trabalho.


Veja mais alguns exemplos que mostram que são nas greves e nas diversas manifestações, que enfrentamos os ataques aos direitos. Na luta organizada junto com o Sindicato.


Na Metalock fomos pra greve contra o atraso no pagamento dos salários. Em outras empresas, a mobilização foi contra o descumprimento da Convenção Coletiva como na Oficina Omedi e na Litoral Serv. Em outras como Freios Casqueiro, i7 Engenharia na Ilha Barnabé, Freios Guarujá a mobilização foi contra contratos irregulares e atraso no pagamento dos salários.



Na Usiminas a luta se amplia contra o arrocho salarial

25 de junho - Foi a vez dos trabalhadores do turno do zero hora de manifestarem. 25 de junho - Foi a vez dos trabalhadores do turno do zero hora de manifestarem.
09 de junho - Trabalhadores do turno das 7h e das contratadas participam de manifestação na portaria da Usiminas 09 de junho - Trabalhadores do turno das 7h e das contratadas participam de manifestação na portaria da Usiminas

A luta dentro da Usiminas também se amplia contra a tentativa da direção da usina de aumentar o arrocho salarial. São anos em que abocanham os salários dos trabalhadores aumentando as perdas salariais e não pagando o devido reajuste salarial.


Enquanto os acionistas comemoram os lucros que não param de crescer, os trabalhadores amargam o achatamento salarial e o desrespeito aos direitos e contra isso a revolta se coloca em movimento.


Em junho realizamos duas grandes manifestações na entrada dos turnos da manhã e noite, pois é assim na luta que vamos garantir as nossas reivindicações.

+ boletins