O Metalúrgico #544



Usiminas vira as costas para segurança dos trabalhadores e o resultado disso é o aumento dos acidentes e mortes por causa das péssimas condições de trabalho

A direção da usina piora as condições de trabalho colocando em risco a saúde e a vida dos trabalhadores


Não faz nem duas semanas que denunciamos no Boletim do Sindicato a situação da malha ferroviária na usina de Cubatão. Os trilhos e os dormentes estão danificados porque não há nenhum investimento pra valer, só uma gambiarra atrás da outra e a consequência disso é que a qualquer momento pode haver descarrilhamento da locomotiva e suas composições.


Foi o que aconteceu na semana passada, um descarrilhamento próximo a Aciaria. E o que fez a direção da usina? Nada que garanta de fato a segurança dos trabalhadores.


Mais riscos em todas as áreas


Na Aciaria 2, o telhado está um caos há muitos anos. E no último vendaval que veio acompanhado de chuva forte, várias telhas das estruturas caíram no piso e outras ficaram penduradas.


As calhas e a tubulação estão podres, tudo caindo aos pedaços e o pior é que as tubulações de escoamento das calhas estão retornando para as galerias elétricas. A situação é tão grave que já atingiu painéis elétricos das pontes-rolantes e barramentos elétricos. E os bueiros? Entupidos e retornando a sujeira para a área operacional.


A cara de pau da direção da usina é tão grande, que mandam sinalizar essas áreas como acesso seguro, que de seguro nada tem.


E não adianta abrir Siasso, OM., nada, pois a Usiminas já mostrou que se depender da direção da empresa não vai fazer nada para mudar isso. O que a direção da usina quer é sugar ao máximo quem está trabalhando por três, fazer de tudo para empurrar novas contratações e manter as áreas só na base da “gambiarra” não se preocupando com a saúde e a vida dos trabalhadores.


Isso é a Usiminas, protege os seus lucros, expondo a saúde e a vida dos trabalhadores: Só aqui em Cubatão são mais de 50 mortes nos últimos 25 anos. Esse ano em Ipatinga, teve morte provocada pelas péssimas condições de trabalho, amputações e a explosão de um gasômetro que expôs os trabalhadores na usina e a comunidade da cidade a sérios riscos.


Isso tudo só vai parar com o fortalecimento da nossa luta exigindo melhores condições de trabalho. Por isso continue a denunciar os problemas da área em que você trabalha e participe da mobilização organizada pelo Sindicato. Pois é só lutando que vamos proteger nossos direitos, nossa saúde e nossa vidas.



Usiminas vira as costas para segurança dos trabalhadores e o resultado disso é o aumento dos acidentes e mortes por causa das péssimas condições de trabalho

A direção da usina piora as condições de trabalho colocando em risco a saúde e a vida dos trabalhadores


Não faz nem duas semanas que denunciamos no Boletim do Sindicato a situação da malha ferroviária na usina de Cubatão. Os trilhos e os dormentes estão danificados porque não há nenhum investimento pra valer, só uma gambiarra atrás da outra e a consequência disso é que a qualquer momento pode haver descarrilhamento da locomotiva e suas composições.


Foi o que aconteceu na semana passada, um descarrilhamento próximo a Aciaria. E o que fez a direção da usina? Nada que garanta de fato a segurança dos trabalhadores.


Mais riscos em todas as áreas


Na Aciaria 2, o telhado está um caos há muitos anos. E no último vendaval que veio acompanhado de chuva forte, várias telhas das estruturas caíram no piso e outras ficaram penduradas.


As calhas e a tubulação estão podres, tudo caindo aos pedaços e o pior é que as tubulações de escoamento das calhas estão retornando para as galerias elétricas. A situação é tão grave que já atingiu painéis elétricos das pontes-rolantes e barramentos elétricos. E os bueiros? Entupidos e retornando a sujeira para a área operacional.


A cara de pau da direção da usina é tão grande, que mandam sinalizar essas áreas como acesso seguro, que de seguro nada tem.


E não adianta abrir Siasso, OM., nada, pois a Usiminas já mostrou que se depender da direção da empresa não vai fazer nada para mudar isso. O que a direção da usina quer é sugar ao máximo quem está trabalhando por três, fazer de tudo para empurrar novas contratações e manter as áreas só na base da “gambiarra” não se preocupando com a saúde e a vida dos trabalhadores.


Isso é a Usiminas, protege os seus lucros, expondo a saúde e a vida dos trabalhadores: Só aqui em Cubatão são mais de 50 mortes nos últimos 25 anos. Esse ano em Ipatinga, teve morte provocada pelas péssimas condições de trabalho, amputações e a explosão de um gasômetro que expôs os trabalhadores na usina e a comunidade da cidade a sérios riscos.


Isso tudo só vai parar com o fortalecimento da nossa luta exigindo melhores condições de trabalho. Por isso continue a denunciar os problemas da área em que você trabalha e participe da mobilização organizada pelo Sindicato. Pois é só lutando que vamos proteger nossos direitos, nossa saúde e nossa vidas.



A jornada é massacrante, as condições de trabalho cada vez piores e até na hora de se alimentar tem problema

No horário do zero hora no restaurante da laminação, todo o dia a refeição está fria, principalmente a sopa. É mais um exemplo que para a Usiminas o que importa são só seus lucros, a direção da empresa não está nada preocupada com a situação dos trabalhadores que garantem esses lucros, amargando péssimas condições de trabalho e que nem alimentação decente tem.



Veja a explicação da Sapore para a comida fria

A empresa responsável pelas refeições disse que por determinação das chefias, algumas cubas foram substituídas por outras menores, que têm a metade do tamanho. Com isso, as cubas não chegam a encostar na água quente da mesa refratária que serve para manter os alimentos aquecidos. Ou seja, para os trabalhadores, a Usiminas quer tudo à menos: menos salários, menos condições de trabalho e piores condições até para se alimentar.


E para piorar, os condicionadores de ar estão praticamente em frente da bancada em que fica a comida.


Tanto os responsáveis pela Sapore, como a direção da Usiminas sabem dessa situação e até agora nada de resolver.



Empresas terceirizadas seguem o exemplo da Usiminas: péssimas condições de trabalho e desrespeito aos direitos

Na Vix, a revolta dos trabalhadores só aumenta contra tanto desrespeito aos direitos. Tem líder tentando posar de representante dos trabalhadores para ajudar a direção da empresa a passar por cima da Campanha Salarial, não pagando o devido aumento salarial e desrespeitando os direitos.


E o desvio de função está correndo solto: os mecânicos são obrigados a fazer a função de borracheiro, porque há meses a empresa não contrata borracheiro.


E tem mais: o supervisor da manutenção obriga os motoristas a levar para consertos fora da usina, os veículos com problemas mais sérios nos pneus. Ou seja, além do acúmulo de função coloca a vida dos trabalhadores em risco.



Enesa passa por cima dos procedimentos de segurança e coloca a vida dos trabalhadores em risco

As empresas através das chefias falam que os trabalhadores não podem subir em altura, mas isso é só no DDS, acabou a reunião, os chefes já obrigam os trabalhadores a executar as tarefas sem os procedimentos de segurança. Ou seja, a ENESA continua colocando a vida dos trabalhadores em risco.


As chefias também obrigam os trabalhadores a transportar material em excesso em bicicletas que não têm nenhuma condição para isso. Além disso, a empresa obriga os trabalhadores a fazer a manutenção dessas bicicletas com o próprio salário, é mole?


Junto às péssimas condições de trabalho, as chefias pressionam e ameaçam de demissões os trabalhadores.


Isso é a Enesa, segue à risca a receita da Usiminas. Nunca é demais lembrar, que em 2015, o trabalhador André que era funcionário nessa empresa, morreu dentro da Usiminas vítima das péssimas condições de trabalho.



Zé Protesto

“Zé, na Beluqui, os trabalhadores estão com acúmulo de função e estão sendo obrigados a executar as tarefas fora do procedimento de segurança.”

- Essa é mais uma empresa que passa por cima dos procedimentos de segurança. Está dando advertência para os trabalhadores que se recusam a executar tarefas fora das normas, ou seja, está colocando a vida dos trabalhadores em risco. E também está poluindo ainda mais o Rio Cubatão, pois os resíduos da lavagem dos equipamentos vão direto para o rio.

--

“Zé, na NM, tem um tal de MC Sapão no almoxarifado que pra se dar bem com a empresa fica regulando EPI e ferramenta para os trabalhadores.”

- Esse puxa-saco quando o gerente está por perto, fica quietinho, o gerente sabe da situação e não faz nada, porque o que querem é se dar bem com a direção da empresa que só está preocupada em lucrar, enquanto os trabalhadores não têm nem EPI para usar. Para enfrentar todos esses problemas, não tem outro caminho que não seja a nossa luta contra o desrespeito dos patrões aos nossos direitos.

+ boletins