Não se avança em liberdades democráticas sem direitos

08/03/23

Infelizmente a maioria das centrais sindicais e diversos movimentos sociais se calaram sobre a importância de seguir exigindo os direitos que foram retirados nas reformas trabalhista e da Previdência.


Entre os que patrocinaram as ações golpistas logo após as eleições e em janeiro desse ano estão muitos empresários que se beneficiaram com a reforma trabalhista e não se conformam com o fim do governo que tanto atacou os direitos e a vida da classe trabalhadora.


Lula nas eleições fez críticas às reformas, mas bastou os patrões reclamarem para ele se calar, o que significa que é só no fortalecimento da luta de mulheres e homens trabalhadores que vamos garantir a devolução dos nossos direitos.


Nesse 8 de Março nos locais de trabalho e nas ruas, vamos à luta por:

- Nenhum direito a menos. Revogação das reformas trabalhista e da Previdência.

- Aumento salarial e igualdade salarial entre mulheres e homens.

- Fim da dupla jornada de trabalho.

- Fim da violência às mulheres e da impunidade aos que agridem e matam.

- Garantia de acesso à saúde integral das mulheres.

- Atendimento digno ao aborto legal e pela descriminalização e legalização do aborto.

- Sem anistia aos que praticaram e financiaram os atos golpistas: cadeia para Bolsonaro.


Por INTERSINDICAL - Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora

+ notícias